Palavra do bispo Dom Manoel João Francisco

Postado dia 08/02/2017 às 08:04:54

Jornada Mundial do Doente

*Foto do Papa Francisco acolhendo enfermos. 

 

 

MENSAGEM DO BISPO

No próximo dia 11 de fevereiro, sábado, memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, comemora-se a “Jornada Mundial do Doente”.

         Lourdes, como se sabe, é uma pequena cidade da França. Neste lugar, quando ainda era uma simples aldeia, em 1858, Nossa Senhora apareceu a uma menina, chamada Bernadete.

Daquela data, até os dias de hoje, Lourdes tornou-se centro de peregrinação para fiéis do mundo inteiro, que confiados na intercessão de Nossa Senhora, buscam cura para seus males.

São sem conta os testemunhos de curas miraculosas. A Igreja, no entanto, é muito cautelosa. Por isso, dentre muitos testemunhos, reconhece como autênticos apenas 69 milagres. O 69º  canonicamente reconhecido foi a cura da italiana Daniela Castelli, da cidade de Bereguardo, diocese de Pavia.

Até os 34 anos, Daniela levou uma vida normal, quando começaram a aparecer tumores em diversos órgãos do corpo. Teve de passar por várias intervenções cirúrgicas, sem nenhum efeito. Estava desenganada. No dia 04 de maio de 1989, aos 43 anos, foi à Lourdes e banhou-se na piscina do santuário. Naquele momento, conta ela, sentiu um bem estar extraordinário. A partir daí, começou a ter uma vida totalmente normal. Apresentou-se então ao Escritório de Constatações Médicas de Lourdes e narrou o que lhe tinha acontecido. Os médicos deste organismo examinaram os documentos e, em 2010, constaram que a cura era inexplicável pela ciência. Esta foi a sentença: “A Senhora Castelli está curada de maneira completa e durável, desde sua peregrinação a Lourdes em 1989, da síndrome que ela sofria, e isto sem relação com as intervenções e tratamentos médicos”.

Para ser aceito como milagre autêntico, a Igreja exige que o caso passe por outro organismo chamado Comité Médico Internacional de Lourdes, composto por médicos que, às vezes, moram em outros países. Este Comité é uma espécie de segunda instância médica que revisa e critica a decisão dos médicos do Escritório de Constatações Médicas de Lourdes. Pois bem, o Comité Médico Internacional de Lourdes, em 19 de novembro de 2011, reunido em Paris, confirmou e certificou o milagre com esta sentença: “O modo de cura continua sendo inexplicável no atual estágio dos conhecimentos científicos”.

Depois desta segunda sentença, a autoridade eclesiástica, no caso, o Bispo de Pavia, diocese onde mora Daniela Castelli, entregou o caso para uma comissão teológico-médica que confirmou o caráter miraculoso da cura. Só então, num decreto com data de 20 de junho de 2013, Dom Giovanni Giudici declarou ter sido uma cura “prodigiosa e milagrosa”.

Lourdes, portanto, é esse lugar, onde os fiéis vão buscar e encontram cura para suas doenças. Se não para todas as doenças físicas, com certeza, para todas as doenças espirituais. As pessoas doentes que vão à Lourdes e continuam fisicamente doentes, testemunham que passam a ser diferentes depois da viagem ao Santuário da Virgem em Massabielle. Dizem que, sem deixar de procurar com empenho a própria saúde, encontraram sentido para o sofrimento e coragem para completar, nelas mesmas, o que falta aos sofrimentos de Cristo (Col 1,24).

Foi este, sem dúvida, o motivo que levou o Papa São João Paulo II escolher a memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes para instituir a “Jornada Mundial do Doente”. Na carta de instituição, dirigida ao Cardeal Fiorenzo Angelini, Presidente do Pontifício Conselho de Pastoral com os Agentes da Saúde, assim se expressou o Papa: “Lourdes, santuário mariano entre os mais caros ao povo cristão, é lugar e, ao mesmo tempo, símbolo de esperança e de graça, sinal de aceitação e de oferta do sofrimento salvífico. Peço-lhe, portanto, para levar ao conhecimento dos responsáveis pela pastoral da saúde, no âmbito das Conferências episcopais, bem como dos organismos nacionais e internacionais comprometidos com o vastíssimo campo da saúde, a instituição desta Jornada Mundial do Doente”, para que em harmonia com as exigências e circunstâncias locais, a sua celebração seja acuradamente promovida com a participação de todo o Povo de Deus: sacerdotes, religiosos, religiosas e fiéis leigos”.

Neste ano, o tema da “Jornada Mundial do Doente” é: Admiração pelo que Deus faz: “O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1,49). Na Mensagem enviada pelo Papa Francisco lê-se: “Tal Jornada dá ocasião para se prestar especial atenção à condição dos doentes e, mais em geral, a todos os atribulados; (...). Além disso, esta recorrência renova, na Igreja, o vigor espiritual para desempenhar sempre da melhor forma a parte fundamental de sua missão que engloba o serviço aos últimos, aos enfermos, aos atribulados, aos excluídos e aos marginalizados”.


envie seu comentário »

Veja Também

Veja + Palavra do bispo