Palavra do bispo Dom Manoel João Francisco

Postado dia 27/05/2019 às 10:41:18

SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS

No próximo domingo, além de celebrarmos a solenidade da Ascensão do Senhor, vamos também iniciar a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Fui entrevistado a respeito deste assunto. Vou aproveitar as respostas que dei e partilhá-las com meus irmãos leitores neste nosso encontro semanal.

1 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos vai acontecer do dia 02 de junho até o dia 09, solenidade de Pentecostes. O Senhor poderia discorrer um pouco sobre o tema deste ano?
R – O tema da Semana de Oração pela Unidade Cristã deste ano é: “Procurarás a Justiça, nada além da Justiça” (Dt 16,18-20). Foi escolhido pelas Igrejas da Indonésia preocupadas com o crescimento econômico de seu país, que se desenvolveu animado pela lógica da concorrência, deixando muitos na pobreza extrema e permitindo o enriquecimento exagerado de apenas alguns.
No hemisfério Norte, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos acontece do dia 18 de janeiro, festa da Cátedra de São Pedro e vai até o dia 25, festa da Conversão de São Paulo. Neste ano, na celebração de abertura, na Basílica de São Paulo fora dos Muros, o Papa Francisco, referindo-se ao tema assim se expressou: “Isto não se aplica só à Indonésia. Deparamo-nos com a mesma situação no resto do mundo. Quando a sociedade deixa de ter como fundamento o princípio da solidariedade e do bem comum, assistimos ao escândalo de pessoas que vivem em extrema pobreza ao lado de arranha-céus, hotéis imponentes e centr os comerciais luxuosos, símbolos de incrível riqueza. Esquecemo-nos da sabedoria da lei mosaica, segundo a qual, se a riqueza não for partilhada, a sociedade divide-se”. Continuando sua reflexão, o Papa afirma: “Também entre nós, cristãos, existe o risco de prevalecer a lógica conhecida pelos israelitas dos tempos antigos e pelo povo indonésio nos dias de hoje, ou seja, tentando acumular riqueza, esquecemo-nos dos vulneráveis e dos necessitados. É fácil esquecer a igualdade fundamental que existe entre nós. (...). Para realizar os primeiros passos rumo à terra prometida que é a nossa unidade, devemos, em primeiro lugar, reconhecer humildemente que as bênçãos recebidas não são nossas por direito, mas por dádiva, tendo-nos sido concedidas para partilharmos com os outros. Em segundo lugar, devemos reconhecer o valor da gra ça concedida as outras comunidades cristãs. Consequentemente será nosso desejo participar nos dons dos outros. Um povo cristão, renovado e enriquecido por esta troca de dons, será um povo capaz de caminhar, com passo firme e confiante, pelo caminho que leva à unidade”.

2 – Temos presenciado notícias de violência que os cristãos têm enfrentado no mundo todo por intolerância religiosa. Frente a isso, como os cristãos devem estar unidos e qual a importância de estarem unidos para se combater a violência?
R – De fato, nos últimos tempos, as Igrejas cristãs estão ameaçadas pela intolerância religiosa e vitimadas por crescente perseguição. Na opinião do Papa Francisco, os mártires de hoje são mais numerosos do que os mártires no início da Igreja. Esta não é uma afirmação de efeito. O Papa assim se expressa porque tem dados concretos.
Em 2013, o Centro para a Liberdade Religiosa do Instituto Hudson publicou um texto intitulado: “Perseguidos. O Ataque global aos Cristãos”. Neste texto afirma-se que: “Os Cristãos são o grupo religioso mais amplamente perseguido no mundo de hoje. E essa terrível tendência está em ascensão”. Segundo uma estimativa feita pela Conferência dos Bispos Católicos da Comunidade Europeia, 75% dos atos de intolerância religiosa são direcionados aos cristãos.
Na Nigéria, mais de uma centena de fiéis foi morta em bombardeios a igrejas no Natal de 2011. O Iraque viu pelo menos setenta bombardeios a igrejas em oito anos. Na Arábia Saudita, o Grande Mufti, maior autoridade religiosa do país, declarou que é “necessário destruir todas as igrejas da região”.  
Estatísticas recentes do Pew Research Center dizem que o mundo é um lugar cada vez mais religioso. Mas também é um lugar cada vez mais intolerante com os cristãos. Em 2/3 dos países do mundo, também de acordo com o mesmo Centro de Pesquisa, a perseguição piorou nos últimos anos.
 Não pensemos que martírios acontecem somente em países, onde os cristãos são minorias. Também em países majoritariamente cristãos existem mártires. É o caso do Brasil, onde os mártires são vítimas de outros cristãos.
Diante desta situação, a proposta de unidade entre os cristãos e de diálogo com as religiões não cristãs é de fundamental importância. Hans Küng, um dos maiores teólogos do século XX, é de opinião que “não é possível a paz entre os povos sem a paz entre as grandes religiões do mundo! E não há paz entre as grandes religiões sem a paz entre as Igrejas cristãs. O ecumenismo entre as Igrejas é parte integrante do ecumenismo mundial: o ecumenismoad intra, no âmbito da cristandade, e o ecumenismo ad extra, orientado para toda a terra habitada são interdependentes”. 
Um gesto concreto neste sentido aconteceu em Abu Dabhi, no dia 04 de fevereiro último, quando Papa Francisco e o Grão Imame de Al-Azhar, Ahmed Al-Tayyeb assinaram um Documento sobre A Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da convivência comum. Os signatários concluem a Declaração com este apelo: “Almejamos que esta Declaração seja: um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, mais ainda, entre os crentes e os não-crentes, e entre todas as pessoas de boa vontade; um apelo a toda consciência viva, que repudia a violência aberrante e o extremismo cego, e a quem ama os valores da tolerância e da fraternidade, pr omovidos e encorajados pelas religiões; um testemunho da grandeza da fé em Deus, que une os corações divididos e eleva a alma humana; um símbolo do abraço entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul e entre todos aqueles que acreditam que Deus nos criou para nos conhecermos, cooperarmos entre nós e vivermos como irmãos que se amam. Isto é o que esperamos e tentaremos realizar a fim de alcançar uma paz universal de que gozem todos os homens nesta vida”.
Nosso compromisso com unidade dos cristãos cresce ainda mais quando vemos que o Espírito de Deus já está suscitando mártires dentro das várias Igrejas, fenômeno cunhado pelo Papa Francisco com a expressão “Ecumenismo de Sangue”. No ano de 2015, na celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, o Papa Francisco assim se expressou: “Neste momento de oração pela unidade, gostaria de recordar os nossos mártires hoje. Eles dão testemunho de Jesus Cristo e são perseguidos e mortos, porque são cristãos, sem fazer distinção, por parte dos perseguidores, da confissão a que pert encem: são cristãos e por isso são perseguidos. Este é, irmãos e irmãs, o ecumenismo de sangue”.


envie seu comentário »

Veja Também

Veja + Palavra do bispo