Notícias

Postado dia 15/01/2019 às 17:29:50

JMJ: Papa encontrará uma Igreja viva a serviço de todos

Massimiliano Menichetti - Cidade do Vaticano

A JMJ no Panamá também será uma oportunidade para tornar visíveis as realidades vividas pelos jovens, entre as quais os migrantes, os  indígenas e a comunidade de origem africana. Poucos dias antes do grande encontro internacional, o arcebispo do pequeno istmo centro-americano, Dom José Domingo Ulloa Mendieta, reiterou em uma entrevista ao Vatican News que a Igreja panamenha é uma realidade viva que "dialoga com quem é diferente, mas não distante, que sabe apoiar um diálogo ecumênico e inter-religioso, uma Igreja que está a serviço de todos, sem excluir ninguém.

P. - Como vocês se prepararam para este grande encontro com o Papa e com jovens de todo o mundo?

“Nossa preparação foi sustentada primeiramente pela oração, e colocamos esse projeto nas mãos do Senhor, estabelecendo o Dia de oração para a Jornada Mundial da Juventude o 22 de cada mês, durante cerca de dois anos. Escolhemos o dia da festa de São João Paulo II, que criou a JMJ. Também tivemos o apoio de uma empresa de prestígio que desenvolveu os procedimentos de uma forma muito metódica, o que nos permitiu dar prosseguimento a cada passo que fizemos na organização, nas diversas direções traçadas pelo Comitê Organizador Local da Jornada Mundial da Juventude.

D. - Que Igreja o Papa Francisco encontrará?

Ele encontrará uma Igreja jovem e alegre, autêntica, multiétnica e pluricultural, com uma fé viva, com o compromisso de anunciar o Evangelho. Uma Igreja que não desapontará a confiança que o Papa depositou neste pequeno istmo para organizar um evento único e histórico como a JMJ. Uma Igreja que reafirma o magistério do Papa Francisco ao anunciar aquela Igreja em saída e em busca daqueles que se encontram nas periferias. Uma Igreja que dialoga com aqueles que são "diferentes, mas não distantes", que sabe apoiar um diálogo ecumênico e inter-religioso. Uma Igreja que está a serviço de todos, sem excluir ninguém.

P. – O senhor disse que será uma JMJ que colocará no centro os jovens em busca de Cristo, sem esquecer a questão dos nativos e das migrações. Quão importante são esses aspectos?

A JMJ é a oportunidade para tornar visíveis as realidades da juventude, entre as quais os migrantes, os indígenas e a comunidade de origem africana. Não podemos ignorar essas realidades e tampouco podemos permanecer sem fazer nada. Acredito que o cenário da Jornada ajudará a apresentar essas realidades e também como a Igreja na América Central as acompanha.

D. - O que vocês esperam desta JMJ?

R. - Esperamos que possa ser desfrutada pelo maior número de jovens da região da América Central e do continente americano. E para aqueles que não poderão estar fisicamente presentes, trabalhamos para garantir que possam acompanhá-la pelas diferentes plataformas de comunicação. Mas no final, que os jovens possam sair mais inquietos e comprometidos na busca de respostas para suas questões existenciais e definam seu projeto de vida.

P. – Que votos o senhor faria para os jovens da JMJ?

Que se deixem acariciar pelo amor misericordioso do Pai, que desfrutem ao máximo as catequeses, as palavras do Papa, que vem para nos confirmar na fé, dizendo, porém, que a Igreja e a sociedade têm necessidade deles ... que têm a coragem de responder ao chamado de Deus, com a nossa oração.


envie seu comentário »

Veja Também

Veja + Notícias