Notícias

Postado dia 07/08/2018 às 16:10:43

A família e a Santíssima Trindade

Querido leitor (a), paz e bem! Você vai ler o terceiro texto que dá continuidade à reflexão do tema “a transmissão e a celebração da fé em família”, escritos nas duas edições anteriores desse jornal.

                Seguindo o que já foi dito, vemos que as questões que se colocam agora são estas. A partir de que pressupostos a família pode cumprir a tarefa de transmitir e celebrar a fé? Onde os esposos e esposas podem encontrar forças para falar de Deus entre si e nisso envolver também os filhos, superando assim a dinâmica secular, laicista e materialista que deseja impedir a transcendência do sagrado na vida familiar? Como vencer a resistência de crianças e jovens que muitas vezes não desejam e não querem perguntar mais sobre questões transcendentes como Deus, salvação e fé, por exemplo, devido a proposta educacional atual, cultural e social, que somente oferece como válido e útil assuntos imanentes?

A resposta fundamental para essas questões só poderá ser encontrada na necessária e alegre assunção pessoal daqueles elementos que constituem a identidade da família. Se trata da identidade crente no mistério cristológico trinitário, que implica necessariamente a conversão a experiência de fé vivida, celebrada, compartilhada, necessariamente, na família e na comunidade eclesial.

Nesse sentido é que uma família cristã se distingue de outra, ou seja, porque crê em Deus revelado por Jesus Cristo, que é Pai, Filho e Espírito Santo. Mas esta grande afirmação implica no fato de esta família ter sido iniciada. Por isso ela crê e aceita este mistério e esta verdade e a eles adere. Essa família acolhe a Palavra, o Santo Evangelho, como primeiro fundamento; experiencia constantemente o Deus revelado, sendo ele o centro e o sentido da vida; vive em constante conversão e por isso comporta-se correspondentemente com os ideais do Evangelho; permanece unida a sua comunidade de fé em uma atitude de pertença afetiva e efetiva nesta mesma comunidade. A família cristã se distingue, portanto, pelo conteúdo do mistério que dá sentido à fé. E este conteúdo não é outro, a não ser, o Deus Trindade: um Deus Criador, que nos salvou por seu Filho Jesus Cristo, que nos comunica sua vida e nos renova permanentemente pelo seu Espírito. A família só pode viver e explicar seu ser cristão por que crê na Trindade.

Na Trindade a família encontra sua referência originária, seu arquétipo, sua fonte, sua causa e seu modelo. A família é imagem, ícone, representação da Trindade. Da relação existente em cada pessoa da Santíssima Trindade emana a fonte da relação intrafamiliar.

Em uma palavra, a Trindade é modelo e referência para toda família que é chamada a ser uma comunidade de vida e amor, onde existe uma relação especial de unidade e fidelidade, segurança e respeito. A família é uma obra criadora e é criativa que prolonga na história a obra do próprio Deus Criador.

Esta riqueza e mistério só podem compreender-se a partir da fé, e só pode vivê-los quem converteu seu coração e encontrou nisto sua fonte de sentido. Uma fonte que deve interiorizar-se sempre pela oração, e pela renovação da vida.   

 

Padre José de Lima

Assessor da Animação Bíblico-Catequética

Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Jataizinho – Pr

Diocese de Cornélio Procópio


envie seu comentário »

Veja Também

Veja + Notícias