Palavra do bispo Dom Manoel João Francisco

Postado dia 15/12/2016 às 09:37:34

“Meu Bom José”

No clima de Natal que estamos vivendo, o comércio dá grande destaque à figura do Papai Noel. Nós, no ambiente de Igreja, como não poderia deixar de ser, realçamos a pessoa de Jesus, o motivo principal da festa e a pessoa de Maria, sua Mãe que “tendo dado à luz o seu filho primogênito, o enfaixou em panos e o deitou numa manjedoura” (Lc 2,7).

Fica na sombra um personagem muito simpático e de suma importância na história de nossa salvação. Trata-se de São José, esposo de Maria. Nesta reflexão, vamos nos deter no que ele pode significar para nós.

Comecemos, colocando-nos em seu lugar. Era jovem e apaixonado por sua noiva, também jovem e bela. Segundo as leis da época, enquanto noivos, já podiam ter envolvimento sexual, mesmo sem coabitarem. Por isso, se Maria aparecesse grávida, ninguém iria estranhar.

Certo dia, Maria, a noiva, com licença de José, o noivo, vai passar uns tempos com a prima Isabel, num outro lugarejo, mais de 120 quilômetros, distante de Nazaré. 

Após três meses, Maria retorna com sinais de uma gravidez já bem adiantada. José, sabendo que a criança não era sua, vai pedir explicação à noiva. Esta, por sua vez, nada pode lhe dizer, a não ser que um anjo lhe aparecera dizendo que haveria de conceber e dar à luz um filho que seria chamado Filho do Altíssimo, sentaria no trono de Davi, reinaria para sempre sobre a descendência de Jacó, e seu reino não teria fim (Lc 1,31-33). Era tudo que podia dizer, pois era somente isso que sabia.

Não satisfeito com a explicação, mas, sem deixar de amar sua noiva, José estava em grande dilema. É claro que ele podia denunciá-la de adultério. Se o fizesse veria sua amada ser apedrejada até a morte. Não podia duvidar de sua noiva. Ela sempre tinha sido fiel e sincera. E, se a historia que contara, apesar de estranha, fosse verdadeira! Ele iria carregar para sempre a culpa de acusar uma inocente. Em meio a tantas incertezas, decide fugir para um lugar distante e estranho. Lá passaria seus dias no anonimato, exercendo sua profissão de carpinteiro e curtindo uma grande dúvida. Ao menos, não correria o risco de acusar uma possível inocente. Assim a criança poderia nascer e talvez tornar-se alguém importante. Decisão tomada, partida marcada! Na noite, antes de partir, enquanto dormia, um anjo lhe aparece e lhe diz: “José, Filho de Davi, não tenhas receio de receber Maria, tua esposa; o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe porás o nome de Jesus, pois ele vai salvar seu povo dos seus pecados” (Mt 1,20-21). Não havia mais dúvida. Tudo se esclarecera. “Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor tinha mandado e acolheu sua esposa” (Mt 1,24).

Diante desta passagem da vida de São José, o Papa, São João Paulo II comenta: “Nas palavras da ‘anunciação’ noturna, José escuta não apenas a verdade divina acerca da inefável vocação da sua esposa, mas ouve novamente também a verdade acerca da própria vocação. Este homem ‘justo’, que, segundo o espírito das mais nobres tradições do povo eleito, amava a Virgem de Nazaré e a ela se encontrava ligado por amor esponsal, é novamente chamado por Deus para este amor” (RC 19).

O Papa Bento XVI, quando ainda era cardeal, diante de uma imagem de São José dormindo dentro de uma tenda, com um anjo de pé, ao seu lado, fez a seguinte reflexão: “José dorme, é verdade, mas está simultaneamente disposto a ouvir a voz do anjo. Parece depreender-se da cena o que o Cântico dos Cânticos tinha proclamado: eu dormia, mas o meu coração estava vigilante (Cânt. 5,2). (...). Esse José que dorme, mas que ao mesmo tempo está preparado para ouvir o que ecoe no seu íntimo e desde o alto, é o homem em que se unem o recolhimento íntimo e a prontidão”.

O Papa Francisco tem em seu quarto uma imagem de São José dormindo. Numa de suas audiências às quartas feiras, fez esta observação: “Também São José teve a tentação de deixar Maria, quando descobriu que ela estava grávida; mas interveio o anjo do Senhor, que lhe revelou o desígnio de Deus e a sua missão de pai adotivo; e José, homem justo, ‘recebeu em casa sua esposa’ (Mt 1,24), tornando-se pai da família de Nazaré”.

Encerremos esta reflexão com três estrofes da bonita música “Meu Bom José” de autoria do francês Georges Moustaki na versão de Nara Leão.

Olha o que foi meu bom José

Se apaixonar pela donzela

Dentre todas as mais bela

De toda a sua Galileia.

 

Casar com Débora ou com Sara

Meu bom José, você podia

E nada disso acontecia

Mas você foi amar Maria

 

Me lembro às vezes de você

Meu bom José, meu pobre amigo

Que dessa vida só queria

Ser feliz com sua Maria.


envie seu comentário »

Veja Também

Veja + Palavra do bispo